fbpx

Em aliança inédita, ICC, IBM e Universidade de Harvard desenvolvem pesquisas com impactos diretos ao paciente oncológico

Resultados otimizados, com a visão na integralidade do paciente e em pesquisa: a IBM, gigante mundial em tecnologia e inovação, veio com sua cúpula de Pesquisa mundo ao ICC em uma missão de grande impacto na saúde global. A aliança internacional entre o Instituto do Câncer do Ceará, a Universidade de Harvard e a IBM terá foco em diversas frentes de pesquisa, com a atuação de um time multiprofissional do ICC composto médicos, farmacêuticos, pesquisadores e estatísticos participando ativamente da investigação da influência que a Inteligência Artificial tem na tomada de decisão nos processos e na entrega de resultados que transformam a experiência e desfecho clínico do paciente.

Segundo o Dr. Hermano Rocha, Head of Intelligence do ICC, o objetivo inicial do levantamento era sobre o uso da Inteligência Artificial, mas constatou-se a oportunidade de inserir a abordagem da iniqüidade do tratamento do câncer, tornando-a mais uma linha de pesquisa a ser desenvolvida. Um marco para a Pesquisa Institucional do ICC, conferindo-a um novo patamar com incremento e consolidação dos objetivo macro e organizacional do valor estratégico da pesquisa para a instituição.

Transformação Digital

Realizados de forma inédita entre o ICC e a IBM, os novos estudos trazem à tona novas simulações de experiência entre o corpo clínico e a solução Watson for Oncology. Em uma nova sessão de Clinical Adoption do Watson for Oncology, a equipe da IBM trouxe uma pesquisa às cegas para discutir junto a um grupo de médicos do Hospital Haroldo Juaçaba, para que os mesmos pudessem definir a conduta terapêutica (opções de tratamento) de um determinado caso clínico inserido na plataforma. Um dos objetivos foi avaliar o índice de assertividade geral do que é trazido pela plataforma, ampliando as conclusões obtidas em um dos estudos apresentados pelo ICC na ASCO 2019, maior Congresso de Oncologia Clínica do mundo.
Como os pacientes têm ganhos efetivos com essa transformação digital na Oncologia? De acordo com o CEO do ICC, Pedro Meneleu, “estamos sentindo de uma forma concreta o impacto que a Inteligência Artificial (IA) tem na validação da melhor decisão terapêutica a ser direcionada para o paciente. Com os novos estudos, realizados em parceria com a IBM e com a Universidade de Harvard, temos como novidade a aproximação da IA à realidade socioeconômica do paciente, adaptando o potencial da plataforma à realidade de cada Região. Este é um passo muito significativo para a medicina de precisão e baseada em evidências, finaliza”.

Leia mais: Instituto do Câncer do Ceará traz inteligência artificial para o tratamento do câncer no Brasil

Sem comentários

Deixa um comentário